Publicado em

Dias dos médicos! Data especial…

Ser médico, cuidar do próximo, é uma profissão abençoada pelo mundo.
Salvar vidas, resolver problemas, curar enfermos, e uma oportunidade única repetida diariamente ao médico.
Ser parceiro, dedicado, e querer curar o paciente, é uma dádiva, uma vocação, é ser médico.
Nesse dia de reconhecimento, aqueles que mantem a nossa vida e saúde, queremos agradecer do mais interno e verdadeiro sentimento de gratidão, por perder horas, dias, meses e até anos, de sua vida pessoal, para nos ajudar e curar.

 

Parabéns a vocês! Mil parabéns a vocês!

Fabio Becker e Equipe FWA

Publicado em

Fique Atento: 95% do Câncer de Pulmão É Causado Pelo Cigarro

Fique Atento: 95% do Câncer de Pulmão É Causado Pelo Cigarro

O oncologista do Hemomed Instituto de Oncologia e Hematologia, Bruno Conte, lembra que 95% dos casos de câncer do pulmão em homens e 80% dos casos de câncer em mulheres são relacionados ao tabagismo e a melhor prevenção é parar de fumar.

No entanto, quando a doença já estiver instalada, o importante -segundo o médico- é o diagnóstico precoce da doença. “Quanto antes for descoberto o câncer, maiores chances de tratamento”, ensina.

Aos fumantes, recomenda-se ida ao médico e exames periódicos. Os sintomas são diferentes dependendo da localização do tumor. “Mas podemos mencionar tosse seca com persistência de mais de três semanas, falta de ar relacionada a esforço ou mesmo em atividades habituais como tomar banho, dor torácica contínua, presença de sangue no escarro, inchaço no pescoço ou face, perda de peso importante e rouquidão por mais de 1 semana entre outros”, esclarece o oncologista.

OMS CONSIDERA O CIGARRO PRINCIPAL CAUSA DE MORTE EVITÁVEL NO MUNDO

O cigarro é considerado pela OMS (Organização Mundial da Saúde) a principal causa de morte evitável em todo o mundo, porém, um terço da população mundial adulta, isto é, cerca de 1 bilhão e 200 milhões de pessoas, são fumantes.

A fumaça do cigarro tem mais de 4,7 mil substâncias tóxicas, que causam vários tipos de cânceres, arteriosclerose (obstrução dos vasos sanguíneos) e hipertensão arterial e expõe o fumante a 50 tipos diferentes de doenças.

Segundo o oncologista Bruno Conte, do Hemomed Instituto de Oncologia e Hematologia, o tabagismo está relacionado a 90% das mortes por câncer de pulmão, 30% das mortes por câncer de boca, 25% das mortes por doença do coração, 85% das mortes por bronquite e enfisema e 25% das mortes por derrame cerebral.

Estatística da Organização Mundial da Saúde (OMS) informa que todo ano 5 milhões de pessoas morrem no mundo por causa do cigarro. E, em 20 anos, esse número chegará a 10 milhões se o consumo de produtos como cigarros, charutos, cachimbos e narguilé continuar aumentando.

A expectativa de vida diminui a chance de viver até os 73 anos é de 42% para o fumante e de 78% para o não fumante. Os mesmos prejuízos também são atribuídos ao cachimbo e ao charuto.

O oncologista do Hemomed alerta que fumando você põe em risco também a saúde das pessoas próximas, pois o fumo passivo também aumenta os riscos de doença. Sete não fumantes morrem por dia em consequência do fumo passivo. O tabagismo passivo aumenta em 30% o risco para câncer de pulmão e 24% o risco para infarto.

Para o médico, o principal tratamento para o tabagismo é a decisão de parar de fumar, o autocontrole e a determinação para substituir o cigarro por um estilo de vida saudável com atividade física e alimentação saudável.

Os danos pessoais e a terceiros somam-se a danos irreversíveis ao planeta. Fumar auxilia o desmatamento, incêndios e a poluição do ar e das ruas.

FUMANTES EM QUEDA NO BRASIL
 
No Brasil, o número de fumantes vem caindo nos últimos 5 anos. A Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), realizada pelo Ministério da Saúde em parceria com o IBGE, revela que o índice de pessoas que consome cigarros e outros produtos derivados do tabaco é 20,5% menor que o registrado cinco anos atrás.

A queda existe em função da política pública de saúde, que atua em quatro grandes vertentes: a taxação do preço do cigarro, a proibição de toda e qualquer propaganda, a eliminação dos fumódromos, a proibição de fumar em ambientes fechados e públicos e um programa de atendimento gratuito pelo SUS para as pessoas que querem parar de fumar.

**Lembre-se sempre de consultar o seu médico.

Fonte: http://www.blogdasaude.com.br/2018/05/17/oncologista-alerta-que-95-do-cancer-de-pulmao-e-causado-pelo-cigarro/. Acesso em 27/09/2018.

Publicado em

Quando Usar Gelo ou Bolsa de Água Quente?

Quando Usar Gelo ou Bolsa de Água Quente?

Usar corretamente o gelo e a água quente pode ajudar a se recuperar mais rápido de uma pancada, por exemplo. O gelo pode ser utilizado até 48 horas após uma injeção, e em caso de dor de dente, pancada, torção, dor no joelho e quedas, enquanto que a água quente pode ser usada quando há dor na coluna, manchas roxas na pele, espinhas, furúnculos e torcicolos, por exemplo.

O gelo diminui o fluxo sanguíneo da região, ajuda a desinchar e tem efeito analgésico que se inicia após 5 minutos de uso. Já a água quente promove a dilatação dos vasos sanguíneos e diminui a tensão muscular, promovendo o relaxamento.

Quando usar o gelo

As compressas de gelo são excelentes para aliviar a dor após uma pancada, como pode acontecer durante um jogo de futebol, por exemplo, mas deve-se evitar seu uso nas costas, no peito e na barriga.

Após a corrida, o que se pode fazer é tomar um banho com água bem fria ou colocar uma compressa gelada, se sentir alguma dor no joelho ou no tornozelo, por exemplo. O gelo também é uma ótima opção para quem sofre com tendinite.

Quando usar gelo ou água quente?

Para fazer uma compressa fria em casa, basta envolver um saco de legumes congelados, por exemplo, em uma toalha ou pano e aplicar na região dolorida durante 15 a 20 minutos.

Uma outra possibilidade é misturar 1 parte de álcool com 2 partes de água e colocar num saco tipo ziploc e deixar no congelador. O conteúdo não deve ficar completamente congelado, e poderá ser moldado, conforme a necessidade. O modo de uso é o mesmo.

Quando usar água quente

As compressas feitas com água morna são ótimas para aliviar a dor muscular que surge ao longo do tempo e é especialmente indicada para colocar nas costas ou no peito, embora possa ser colocada em qualquer região do corpo, desde que não esteja com febre, para não aumentar a temperatura.

Quando usar gelo ou água quente?

Como usar a água quente

A compressa morna pode ser utilizado de 3 a 4 vezes ao dia, durante 15 a 20 minutos, mas deve sempre estar enroladas numa fralda de pano ou outro tecido fino, para que não queimar a pele.

Como fazer uma compressa quente em casa

Para fazer uma compressa quente em casa, basta utilizar uma fronha de travesseiro e 1 kg de grãos secos, como arroz ou feijão, por exemplo. Deve-se colocar os grãos dentro da fronha, amarrar bem para formar uma trouxa, aquecer no micro-ondas durante cerca de 3 a 5 minutos, deixar amornar e aplicar na região dolorida durante 15 a 20 minutos.

Se mesmo ao utilizar o gelo ou a água quente a dor não diminuir ou até mesmo se intensificar deve-se ir ao médico para que sejam realizados exames que possam identificar se houve a causa da dor, que pode ser uma fratura, por exemplo

Fonte: https://www.tuasaude.com/quando-usar-compressa-quente-ou-fria/ Acesso em 18/09/2018

Publicado em

Dicas: Bengalas – Como usar e modelos

Dicas: Bengalas – Como usar e modelos

A bengala é um apoio extra, que melhora o equilíbrio evitando a queda, mas é importante que seja usada corretamente para que não cause dor no punho ou no ombro.

Os cuidados essenciais para usar a bengala corretamente são:

  • Ajustar a altura da bengala: A parte mais alta da bengala deve estar na mesma altura do punho do paciente, quando seu braço está esticado;
  • Usar a cordinha da bengala em volta do punho para que a bengala não caia no chão se precisar usar as duas mãos;
  • Posicionar a bengala ao lado do corpo para não tropeçar nela;
  • Não andar no chão molhado e evitar os tapetes;
  • Ter cuidado ao entrar no elevador e ao usar as escadas para evitar quedas. Calma e equilíbrio são essenciais neste momento, mas se cair, deve pedir ajuda para levantar e seguir em frente, mas em caso de dor é importante consultar um ortopedista.

Tipos de Bengalas:

  • Bengala tradicional ou bengala reta: é geralmente feita de madeira ou alumínio, sendo de custo menor e leve. As bengalas de madeira devem ser feitas conforme o tamanho do paciente, já as de alumínio são em geral ajustáveis.
  • Bengala com dobra: são feitas de alumínio e com comprimento ajustável. Em geral são melhores do que as bengalas tradicionais para pacientes que precisam apoiar o peso do corpo na bengala, por exemplo em pacientes com artrose do quadril e joelho.
  • Bengalas com múltiplos apoios (três ou quatro): aumentam a base de suporte e permitem uma descarga de peso maior. Outra vantagem é que estas bengalas ficam em pé sozinhas quando não utilizadas,  o que libera as mãos para outras funções. A principal desvantagem é a necessidade de todos os apoios tocarem o chão simultaneamente, e isto pode ser difícil ou impossível para algumas pessoas, especialmente aquelas que caminham mais rápido.

*Lembre-se sempre de consultar o seu médico.

Fonte: https://www.tuasaude.com/como-usar-a-bengala-corretamente/ Acesso em 13/09/2018

Publicado em

Fique Ligado: 8 Doenças Comuns na Primavera

Fique Ligado: 8 Doenças Comuns na Primavera

Estamos nos aproximando da primavera, uma das épocas mais bonitas do ano. Com a mudança de temperatura, muitas doenças começam a surgir, algumas relacionadas com o clima e outras com o desabrochar e polinização das flores.

Veja abaixo nossas dicas para curtir a primavera com muito mais saúde e disposição.

1. Conjuntivite. Com o desabrochar das flores, o pólen começa a se dispersar no ar e pode causar irritações nos olhos, resultando em casos de conjuntivite. O melhor a se fazer é manter os olhos sempre limpos e lubrificados e lavar eventualmente com soro fisiológico.

2. Rinite alérgica. Assim como na conjuntivite, o pólen pode irritar as vias aéreas causando rinite alérgica. A febre do feno é um outro nome dado à essa rinite causada pelo pólen das plantas. Além disso, a mudança climática propicia irritações nas mucosas nasais e da garganta. Beba muito líquido, como água e sucos de frutas naturais.

3. Catapora. Também conhecida como varicela, a catapora se prolifera com o aumento da temperatura. Na primavera é quando o vírus começa a se multiplicar e as infecções ficam muito mais frequentes. Vacine-se contra a catapora, sobretudo as crianças pequenas.

4. Leptospirose. Com o aumento da temperatura, aumenta-se a frequência das chuvas em muitas regiões do país, e a proliferação da leptospirose, uma doença transmitida por águas contaminadas, aumenta. A melhor medida a se tomar é evitar andar descalço na água da chuva, assim como evitar qualquer contato com água supostamente contaminada.

5. Dengue. Embora a doença atinja prevalência máxima no verão, durante a primavera os primeiros casos começam a surgir, sobretudo nas regiões mais chuvosas do país. Para evitar a transmissão da dengue, não deixe água limpa parada após as chuvas em pneus, vasos ou qualquer outro tipo de reservatório.

6. Sarampo. Assim como a catapora (varicela), os casos de sarampo começam a aumentar com a elevação da temperatura. As crianças pequenas são as mais suscetíveis. A melhor medida a se tomar é a vacinação.

7. Rubéola. A rubéola é uma doença viral extremamente grave para gestantes. Com o aumento da temperatura, o vírus se multiplica mais facilmente. Vacine-se contra a rubéola, com especial atenção para mulheres grávidas e crianças pequenas.

8. Alergias. As alergias podem se manifestar de diversas formas, como coceiras na pele, nariz pingando e olhos vermelhos. Casos graves envolvem fechamento da garganta e até parada respiratória. Com o aumento da polinização e dos insetos, as crises de alergia tornam-se muito mais comuns na primavera. Embora as alergias sejam, no geral, difíceis de serem antecipadas, o tratamento imediato evita a progressão dos sintomas e mais incômodos. Se você começou com algum sintoma de alergia, não hesite em tomar as medicações antialérgicas para evitar aborrecimentos.

*Lembre-se sempre de consultar seu médico.

Fonte: https://www.criasaude.com.br/doencas-comuns-da-primavera.html Acesso em 10/09/2018.

Publicado em

Fique Sabendo: Síndrome do Túnel do Carpo

A síndrome do túnel do carpo, também chamada de síndrome do túnel carpal, é uma doença causada pela compressão do nervo mediano, responsável pela inervação da região externa da mão.

O QUE É O TÚNEL DO CARPO?

O túnel do carpo é uma espécie de túnel ou canal na região do punho com o diâmetro aproximado de um dedo polegar. Seu assoalho são os ossos do punho e seu teto é o ligamento carpal transverso. Dentro do túnel do carpo passam os 9 tendões responsáveis pelos movimentos dos dedos e o nervo mediano, responsável pela inervação da parte externa das mãos, como demonstrado na imagem abaixo.

Qualquer alteração que cause uma diminuição do espaço dentro do túnel do carpo pode levar à compressão do nervo mediano causando os sintomas típicos da síndrome do túnel do carpo. Na maioria das vezes essa compressão do nervo mediano se dá por inflamação e inchaço das estruturas no interior do túnel carpal, como os tendões. Acúmulo de substâncias como proteínas ou sangue também causam aumento da pressão dentro do túnel.

Síndrome do túnel do carpo

FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO

A síndrome do túnel do carpo é uma condição razoavelmente comum, acometendo cerca de 1 a 5% da população. A doença é mais comum em mulheres, principalmente nas obesas.

Conhecemos vários fatores de risco para a síndrome, porém em muitos casos não conseguimos identificar a causa exata. Sabemos que trabalhos que requerem movimentos repetitivos, que induzem flexões e/ou extensões prolongadas ou que imponham pressão sobre mãos e punhos, aumentam os risco de inchaço dos tendões favorecendo o pinçamento do nervo mediano.

Ao contrário do que se imagina, trabalhar com computador por várias horas não parece estar associado a um maior risco de desenvolvimento da síndrome do túnel do carpo. Os trabalhos até o momento mostram que o risco para quem usa computador por até 7 horas por dia não é maior do que o da população em geral.

Além da inflamação mecânica causado por movimentos repetidos do punho, uma série de doenças e condições podem aumentar o risco da síndrome do túnel do carpo, mesmo em pessoas que não realizam trabalhos que exijam movimentos constantes dos braços, mãos ou punhos. Entre elas podemos citar:

– Obesidade
– Gravidez.
– Diabetes
– Artrite reumatóide
– Fratura do punho.
– Hipotireoidismo
– Lúpus
– Predisposição genética.
– Alcoolismo
– Drogas inibidores da aromatase (usada no tratamento do câncer de mama ou ovário).
– Leucemia
– Amiloidose.
– Sarcoidose.
– Mieloma múltiplo

A síndrome do túnel do carpo também pode surgir em pessoas que não apresentam nenhum dos fatores de risco listados acima.

SINTOMAS DA SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO

Como a síndrome do túnel do carpo é causada pela compressão e sofrimento do nervo mediano, seus sintomas clássicos são a dor e a parestesia (formigamento e perda da sensibilidade) localizadas na região da mão inervada por este nervo (veja novamente a ilustração no início do texto).

Os sintomas costumam ser piores à noite e frequentemente acordam o paciente. A dor pode ser agravada pela extensão ou flexão dos punhos. Atividades como conduzir veículos, ler, digitar ou segurar o telefone podem ser suficientes para desencadear a dor.

Em até 65% dos casos, a síndrome do túnel do carpo acomete os punhos bilateralmente, todavia o mais comum é que um dos punhos seja mais sintomático que o outro.

Se não tratado, o quadro costuma piorar com o tempo, podendo levar a alterações motoras, como fraqueza para movimentar os dedos. O paciente pode tornar-se incapaz de segurar objetos.

DIAGNÓSTICO DA SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO

O diagnóstico é geralmente clínico podendo ser comprovado pela eletroneuromiografia, um exame que serve para avaliar a condução nervosa e a resposta dos músculos ao mesmo.

manobra de Phalen

Manobra de Phalen

Dois simples testes físicos ajudam no diagnóstico por desencadearem a dor típica da síndrome do túnel do carpo:

a) A manobra de Phalen consiste na flexão máxima dos punhos realizadas com o dorso das mãos encostados um no outro como na foto acima.

b) O teste de Tinel consiste na percussão do nervo mediano na região do túnel do carpo.

**Lembre-se de consultar o seu médico para obter um diagnóstico e possível tratamento.

Fonte: https://www.mdsaude.com/2011/05/sindrome-do-tunel-do-carpo.html Acesso em 08/08/2018.